“Ver os Sons, Ouvir Imagens” com dois novos espectáculos em Lisboa e Porto

Ver os Sons, Ouvir Imagens é um evento multimédia, de carácter performativo, onde os sons do violoncelo de Miguel Rocha e do contrabaixo de Adriano Aguiar interagem com as imagens audiovisuais criadas por Mariana Irene Aparício, Inês Silva, Gabriel Marmelo e João Pedro Oliveira, controladas a vivo por Jaime ReisOs próximos espectáculos são já no dia 15 de Março, às 19h30, no espaço Lisboa Incomum, em Lisboa e dois dias depois, a 17 de Março, às 18h30, no Porto, no Teatro Helena Sá e Costa da Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo (ESMAE).

O Duo Contracello apresenta neste espectáculo obras de prestigiados compositores portugueses que escreveram especialmente para esta formação. São eles Isabel Soveral, Jaime Reis, Clotilde Rosa e Ângela Lopes. Esta é também a ocasião para a estreia absoluta da obra “Dark Energy” de João Pedro Oliveira, acompanhada de imagens do próprio, e da estreia de trabalhos de António Chagas Rosa.

O trabalho criativo em torno da ideia de cruzamento entre duas expressões artísticas – a música e o filme – tem como principal objectivo a montagem de um espectáculo multidimensional, e o envolvimento simultaneamente erudito e emocional do(s) seu(s) público(s). Destaque, também, para uma clara possibilidade de exposição pedagógica dos sons e das imagens, através da componente perceptiva do espectáculo, em que ver e ouvir, é intencionalmente exposto e amplificado, proporcionando novas e intensas experiências aos seus espectadores.

O projecto Ver os Sons, Ouvir Imagens do Duo Contracello – que conta com o apoio da DGArtes e da Fundação GDA – apresenta-se no dia 15 de Março, às 19h30, no Lisboa Incomum, na capital, para depois seguir para o Porto, para um segundo espectáculo no Teatro Helena Sá e Costa da Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo (ESMAE), a 17 de Março, às 18h30.

Programa

Clotilde Rosa [1930-2017] 
Peacefull Meeting (2016) 
Com imagens de João Pedro Oliveira

Ângela Lopes (1972) 
E(H)LLE(M) – “Sete momentos em forma de trança” (2017) 
Com imagens de Inês Silva

Isabel Soveral [1961] 
Anamorphoses VIII (2014) 
Com imagens de Maria Irene Aparício

Jaime Reis [1983] 
Fluxus, Drag (2015) 
Com imagens de Maria Irene Aparício

António Chagas Rosa [1960] 
La barque partie (2018) – 1ª audição 
Com imagens de Gabriel Marmelo

João Pedro Oliveira [1959] 
Dark Energy (2018)
Com imagens de João Pedro Oliveira

Obras dedicadas ao Duo Contracello

Sobre o Duo Contracello

Duo composto pelo violoncelista Miguel Rocha e o contrabaixista Adriano Aguiar.
Inicia a sua actividade em 1993 e no currículo tem apresentações em Portugal (tais como Festivais de Música de Espinho, de Leiria, Porto 2001-Capital Europeia da Cultura e Centro Cultural de Belém, Festival CriaSons 2011), em Espanha, França (Festival d’Ile de France), Suíça, Estados Unidos da América, República Checa e Holanda.
O seu repertório, que se estende de Couperin a Berio, é constantemente enriquecido com obras originais especialmente dedicadas. A primeira realização discográfica do Duo Contracello, NUMERICA 1055, foi publicada no final de 1996 com o apoio do Ministério da Cultura e inclui obras de Boismortier, Pleyel, Rossini e Alexandre Delgado. Em 2006 foi lançado o segundo CD, “Duo Contracello II”, com obras de Couperin, Keyper, Mozart, Boukinik e Carlos Azevedo. O CD “Duo Contracello III”, editado em 2015 é inteiramente preenchido com obras dedicadas ao Duo Contracello por compositores portugueses: Sérgio Azevedo, Paulo Jorge Ferreira, António Victorino D’ Almeida, Isabel Soveral e César Viana. O programa deste último CD foi apresentado em numerosos concertos de norte a sul de Portugal, com o apoio da DGartes.
Nos últimos anos o Duo Contracello tem desenvolvido um projecto intitulado “Ver os sons, ouvir imagens”, que tem vindo a ser concretizado em vários espectáculos, com destaque para o Festival COMA’15, em Madrid e para o BASS 16, em Praga, e que obteve recentemente os apoios do estado de Portugal – Cultura, através de financiamento da Direção Geral das Artes e também da Fundação GDA. Estes apoios, geridos pela Musicamera Produções, já permitiram realizar concertos em Portugal, Holanda e Espanha, com continuidade em 2019, tendo como objectivo a fixação da parte áudio, em CD, e de todo o espectáculo em DVD.

This entry was posted in Agenda. Bookmark the permalink.

Comments are closed.